Problemas na estrutura nos prédios do Museu e do Arquivo Histórico




Situação do Museu e do Arquivo Histórico preocupa a Smec

Os dois prédios apresentam problemas na estrutura que comprometem a segurança dos seus acervos

Representantes da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) estão visitando áreas e prédios de competência do setor para analisar a situação de cada um deles. Na manhã desta quinta-feira (07), a secretária Ciglia da Silveira esteve no Museu Histórico Nice Antonieta Schüler e no Arquivo Histórico Maria Eunice Müller Kautzmann e constatou problemas na estrutura de ambos os espaços. 

Fechado desde março de 2020 para visitação, devido à pandemia da Covid-19, o Museu, localizado em frente ao prédio da Estação da Cultura, é o que mais preocupa. Infiltrações, falhas no reboco e na pintura e deterioração do forro de madeira são alguns dos problemas detectados pela equipe da Secretaria. De acordo com a responsável pela Diretoria de Patrimônio Histórico e Cultural (Dipahc), Claudete Heberle, que acompanhou a titular da pasta na visitação, servidores relatam que, em dias de chuva forte, a água inunda o hall de entrada do Museu. Além disso, em alguns pontos, escorre com menos força pelas paredes. Por sorte, as peças e o acervo do Museu não apresentam danos aparentes.

Ciglia e Claudete também visitaram, na manhã de quinta, a sede do Arquivo Histórico Municipal e detectaram problemas semelhantes no prédio, vizinho ao do Museu. Um deles, o mais grave, é o telhado danificado. Segundo servidores, quando chove, a água invade o local e coloca em perigo os documentos que estão ali guardados. Em algumas estantes, funcionários colocaram lonas para evitar qualquer tipo de estrago. Infiltrações e falhas na pintura e no reboco estão por toda parte.

Após as visitas, a secretária municipal de Educação e Cultura destaca que os dois espaços carecem de uma reforma com urgência, para que as estruturas não colapsem e para não haver danos nos objetos e documentos armazenados. Ciglia conversará, de imediato, com a equipe da Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP) para que analisem e averiguem o que pode ser feito. “Dependendo da situação, teremos que colocar o acervo em outro prédio”, enfatiza. Para a secretária, é importante encontrar uma solução rápida para que a comunidade possa, novamente, ter o seu Museu em condições de visitação.